Publicidade
Opinioes
Mais Opinões
Publicidade
Empresas Comunidade soliária
Portais Universos Blogs
Publicidade
Concorrência desleal <br> a empresas privadas
Quotidiano

Concorrência desleal a empresas privadas

O presidente do CDS-PP/Açores, Artur Lima, denunciou a “concorrência desleal” e o “dumping” praticado por entidades públicas na Região a empresas do sector privado na área do abate de aves.

O presidente do CDS-PP/Açores denunciou a “concorrência desleal” e o “dumping” praticado por entidades públicas na Região a empresas do sector privado na área do abate de aves.

Acusando o Governo regional de praticar políticas “anti-coesão” e anunciando uma iniciativa legislativa para o próximo plenário da Assembleia Regional, Artur Lima criticou o facto de o Executivo dar “a bênção” a entidades públicas, como o IAMA (Instituto Açoriano de Mercados Agrícolas) para fazer “concorrência desleal” a empresas privadas neste sector, como empresas das ilhas Terceira e Pico, mas que abastecem as ilhas vizinhas (Graciosa, S. Jorge e Faial).

O líder do partido explicou que “o IAMA, no Matadouro público de Ponta Delgada, pratica preços de abate por ave a 11 cêntimos e os privados não conseguem praticar estes preços. Têm que o fazer por cerca de 30 cêntimos”, frisando que “a função do Governo é regular o mercado, não é desregulá-lo, nem fazer concorrência desleal e, muito menos, dumping”.

Foi, por isso, sugerido que o Executivo desse condições iguais e regulasse o mercado por igual, aumentando os preços praticados pelo matadouro público ou então financiando os privados”.

O presidente dos populares açorianos apontou ainda que o Executivo regional “propala o desenvolvimento harmonioso dos Açores mas depois não o promove, nem o pratica”, denunciando de “política anti-coesão” pela desregulação do mercado e, consequentemente, “prejudica as empresas”.

Artur Lima, por outro lado, insistiu na necessidade da Região comprar um avião mini cargueiro que promova a economia regional, faça circular os produtos frescos quer inter-ilhas, quer promovendo a sua exportação, pois como verificou, “o actual sistema de transportes não permite que esta empresa escoe frango fresco para ilhas como as Flores e o Corvo”.

Conforme acrescentou o presidente, esta “é mais uma medida que o CDS-PP já propôs para estimular a economia, desenvolver o emprego, aumentar o consumo local e potenciar o mercado interno e que o Governo sempre foi contra e que o PSD também não apoiou”.

JornalDiario

2012-05-02 16:30:00

Imprimir notícia